Tinta branca na parede de concreto

Startup: um mundo de antagonias

Venho refletindo sobre startups e como as coisas acontecem nesses ambientes de tamanho potencial e inovação. Quanto mais penso, mais vejo o quão antagônicos são os acontecimentos no dia-a-dia de quem está envolvido em startups e o quanto é necessário um tipo muito específico de pessoa para fazer isso bem.

Startups podem dar muito certo e podem dar muito errado

Startups em geral podem ter dois finais: ou dão muito certo ou dão muito errado.

Isso porque o “meio termo” em geral leva ao “muito errado” porque as starutps são empresas que dependem de um crescimento explosivo e escalável e altas chances de retorno aos acionistas.

O risco é grande, então é necessário ter apetite para lidar com esses dois opostos e estar preparado em ambos os casos: para o sucesso (que trás também consequências negativas) e para o fracasso.

Quer empreender em startups? Você precisa se achar muito e…ter humildade

Pois é! O empreendedor tem que se achar demais: os egos normalmente são imensos e precisam ser. Isso acontece porque ele precisa ter o máximo de certeza do que está fazendo, o máximo de controle para assim segurar a bomba que é lidar com tanto risco mencionado anteriormente e ter a chance de construir algo brilhante.

Mas ele também precisa ser humilde. Humilde para identificar novas oportunidades, humilde para contratar pessoas mais brilhantes que ele, humilde para ouvir outras pessoas com experiência, humilde para saber a hora de dar um freio nas ideias megalomaníacas, humilde para fechar parcerias e enxergar oportunidades.

Você precisa lidar com o inesperado e passar uma serenidade e certeza incomuns

Lidar com o inesperado é uma certeza em startups. Estranho? Não.

De tudo o que vai acontecer a única coisa que você pode ter certeza é que haverão crises e que vai ser muito diferente do que você imagina.

E mesmo no meio de todo o turbilhão que isso gera você precisa manter a calma e passar para investidores, funcionários, clientes, co-fundadores, sua família etc uma serenidade e certeza que de fato não estão ocorrendo no seu dia-a-dia, já que tudo vira de pernas pro ar a todo momento.

Precisa ter muita paixão e muita frieza

De fato só quem é muito apaixonado pelo que faz se dá bem criando startups. É muita tortura para alguém que não tenha toda a paixão.

Mas ao mesmo tempo que você precisa se dedicar de corpo e alma precisa manter uma frieza incomum para lidar com as frustrações, para buscar e negociar investimentos, para demitir pessoas se assim for necessário, entre tantas outras tarefas.

O tipo raro

Acho que pessoas podem desenvolver tais habilidades, necessárias em meio a tantas outras, mas chego a conclusão que é preciso um tipo raro de pessoa para lidar com tudo isso e tais pessoas devem ser valorizadas.

Por isso, tiro o chapéu para os empreendedores: meus parabéns! E parabéns também a todos que se envolvem nessa viagem alucinante: investidores, funcionários, familiares e assim por diante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.