Ferrari branca

Startups: 10 dicas para o seu pitch deck (apresentação para investidores)

Na minha experiência como empreendedora e também na curta experiência como investidora, percebi ao longo do tempo o quanto o “pitch deck” (a apresentação que representa sua empresa e a oportunidade que ela trás para investidores) é importante para atingir seu objetivo de levantar capital (ou parcerias, ou mentoria etc.) para seu negócio.

Seguem algumas dicas relevantes sobre o tema:

  1. Prepare-se para pouco tempo mas tenha cartas na manga
    Você deve ter uma versão curta do seu pitch: tente pensar em algo que leve em torno de 3 minutos para um investidor ler ou assistir sua apresentação e entender seu negócio. Muitos investidores possuem tempo escasso e você deve respeitar isso.
    Apesar de se preparar para pouco tempo, tenha slides extras e mais informações disponíveis. Se um investidor gostar do que viu no pitch básico ele terá perguntas e vai querer se aprofundar mais.
    Em geral entre 10 a 15 slides costuma ser uma boa métrica.
  2.  Capa e sumário
    Na sua capa destaque a marca da sua empresa (logo, caso tenha), sua tagline (uma frase que defina seu negócio) e coloque seu contato também. Alguns empreendedores esquecem de colocar o contato e a verdade é que as vezes seu deck vai parar na mão de terceiros e eles precisam saber como lhe encontrar.
    Faça um outro slide com um sumário, os pontos mais importantes da sua apresentação. Aproveite esse slide para destacar métricas excelentes que você já tenha ou particularidades que tornam seu negócio único frente a outros similares. Isso ajuda a gerar o interesse do investidor em continuar lendo.
  3. Time
    Quando investi em startups eu olhava muito o time e vejo que muitos dos investidores atuais da minha startup também levaram isso como algo extremamente importante.
    Ideias vêm e vão, o importante é saber executá-las corretamente e o time que está por trás do negócio é que faz isso acontecer.
    Tente demonstrar as conquistas anteriores do seu time e destacar a complementaridade, caso ela exista (se ela não existe, você pode estar com o time errado).
    Times onde existe complementaridade tendem a ter mais sucesso pois um tem uma habilidade que o outro não tem, isso faz com que sua empresa seja mais completa desde o começo.
  4. Problema e Solução
    Essa duplinha dinâmica é essencial e você não precisa descrever os slides como “problema” e “solução”. Você pode, por exemplo, contar uma história do porquê sua ideia é relevante e como: isso já demonstra qual é o problema e qual é a solução.
  5. Como
    Agora que você já demonstrou o problema e a solução é importante falar sobre como você vai fazer isso e o como não é só o que seu produto ou serviço é ou faz e sim como você como startup fará isso acontecer. Qual é a estratégia de marketing e distribuição? Como serão feitas as vendas? Quem são os parceiros chave? Quais são seus planos para escalar o negócio ao ponto de sucesso no mercado?
  6. Conquistas
    Destaque as conquistas que já foram alcançadas até o momento. Lembre-se: o investidor sabe que você precisa do capital para fazer algo maior então se você puder provar, numa escala menor, o que já foi feito ele vai pensar “se essa startup conseguiu isso com X recursos, imagina o que ela pode fazer com Y”. Quando se está bem no começo tendemos a achar que as conquistas ainda são pequenas mas elas são conquistas. Não deixe de destacar. Número de clientes, produto lançado, parcerias fechadas e assim por diante. Liste as principais conquistas!
  7. Concorrência
    Ah, a concorrência! Não adianta achar que não existem concorrentes, certo? Eles sempre existem, mesmo em projetos totalmente inovadores costumam existir substitutos. Demonstre quem são seus principais concorrentes, como você se diferencia e quais barreiras de entrada você está criando.
    Algo que pode ser interessante aqui é mostrar caso existem concorrentes que já fizeram saídas e demonstrar o valor caso você tenha acesso. Isso ajuda o investidor a entender o potencial de saídas da sua empresa.
  8. Qual é o seu plano para gerar faturamento?
    Ou, qual é o seu modelo de negócios? Mesmo que você ainda vá experimentar com algumas opções de modelo de negócios, demonstre na apresentação. O objetivo do investidor é te ajudar a ter sucesso, a ter retorno financeiro. Um investidor quer retorno, claro. Então é obrigatório que você mostre como sua startup faz ou fará dinheiro.
  9. Projeções financeiras
    Eu sei que em projetos muito iniciais isso é difícil. Faça uma projeção básica, para 1 ano. Fico um pouco preocupada quando vejo investidores pedindo projeções para 3 ou 5 anos. A verdade é que as startups mudam MUITO nesse meio tempo e qualquer projeção com tantos meses não será nem um pouco acurada.
    O mais importante das projeções é mostrar que você tem uma lógica por trás que faça sentido. Acertar nelas é muito difícil mas você deve conseguir demonstrar seu bom senso para negócios.
  10. Investimentos: anteriores e próximos
    Mostre como você chegou até aqui: com quanto dinheiro (mesmo que do próprio bolso) e o que foi feito. Se já tiver captado: quem são os investidores atuais e como o dinheiro foi gasto.
    Mostre também quanto pretende captar agora e a qual valuation. Esteja preparado para responder qual o motivo do valuation que você está considerando (de novo, tenha bom senso, tenha uma lógica por trás do que você está fazendo).

Essas são apenas algumas dicas e, claro, que o conteúdo em si varia muito de uma startup para outra, do perfil de negócio e assim por diante. Esse artigo é só uma visão geral de pontos importantes mas não substituí uma análise crítica sua sobre seu negócio e o que trás valor para sua startup, seus investidores atuais e próximos e parceiros.

Você deve sempre gerar valor, a cada apresentação, a cada conversa. Assim você pode até não sair com dinheiro no caixa mas com certeza terá uma troca bacana com o investidor e isso é sempre muito positivo. Use cada oportunidade para aprender mais!

Boa sorte!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.